Notícias
31 | Julho
Manchete do dia 31/07/2017
Fecoagro festeja 42 anos com homenagens e depoimentos de lideranças apoiando a instituição
Publicado em: 31/07/2017

Foi mais um sucesso a promoção dos 42 anos de fundação da Fecoagro, comemorado dia 25 de último, cujas festividades e homenagens aconteceram em Florianópolis. Diversas lideranças foram homenageadas.

Desde as pessoas que produzem ou produziram o programa Cooperativismo em Notícia nesses cincos anos de existência; os patrocinadores do programa, os veículos que transmitem os programas e os entrevistados do primeiro programa veiculado no Canal Rural no dia 7 de julho de 2012. Entre os patrocinadores, está o Sistema OCB-Sescoop nacional que vem apoiando nos últimos dois anos.

Daniela Lemke, gerente de Comunicação da OCB, veio de Brasília para receber a homenagem da Fecoagro. Ela ressaltou que os programas de comunicação que a Fecoagro vem desenvolvendo são referência em nível nacional e se tornam importantes para divulgar o cooperativismo e os bons frutos desse movimento. Assegurou que a OCB e o Sescoop apoiam essas inciativas e pretende continuar junto com a Fecoagro para manter esse serviço de comunicação tão importante para mostrar o cooperativismo não apenas aos catarinenses, mas para o país.

O deputado federal e ex-secretário da Agricultura de SC, João Rodrigues, também foi um dos homenageados da noite por ter participado do primeiro programa Cooperativismo em Notícia. Ele, na qualidade de secretário da Agricultura na época, foi incentivador da implantação do projeto, tendo inclusive gestionando apoios para viabilizar sua veiculação.

João Rodrigues destacou que o trabalho desenvolvido pela Fecoagro em SC é inovador e merece ser apoiado pelo setor cooperativista e pela comunidade. Disse que os programas do Governo do Estado são mais eficientes com resultados concretos por serem executados através do cooperativismo e a Fecoagro é a líder desse grupo, reconhecida pelos produtores rurais. O parlamentar ainda elogiou o sistema de comunicação que a Fecoagro mantém através do rádio e da televisão, dizendo ser um instrumento importante de informação aos agricultores, mostrando a eficiência com transparência para toda a comunidade.

O Sicoob SC/RS é outro parceiro da Fecoagro na área de comunicação. É patrocinador dos programas de rádio desde sua fundação e no ano passado passou também a ser apoiador dos programas de TV nas emissoras locais, isto é, no SBT, Record News e na TV da Cidade de Joinville.

O Sicoob também foi homenageado no evento da Fecoagro em comemoração aos 42 anos da entidade e dos cinco anos do Cooperativismo em Notícia. Foi representado na ocasião pelo gerente Administrativo da Central, Olavo Lazzarotto, designado pelo presidente Rui Schneider da Silva, do Sicoob Central. Lazzarotto também falou sobre as ações da Fecoagro e o trabalho de comunicação que divulga o cooperativismo de todos os ramos em SC.

O sistema de cooperativas de crédito Sicredi Sul, que tem abrangência nos estados de SC e RS, continuará sendo apoiador principal do programa Cooperativismo em Notícia, mantido pela Fecoagro no Canal Rural. A afirmação foi feita pela direção do Sicredi em Porto Alegre. O Sicredi foi o primeiro apoiador do programa desde sua implantação em 2012, e continua até hoje.

A entidade foi uma das homenageadas, nas comemorações dos cinco anos de existência do programa, ocorrido durante o jantar dos 42 anos da Fecoagro realizado em Florianópolis.

O Sicredi recebeu duas homenagens: uma ao seu diretor executivo Gelson Seefeld, que juntamente com outras lideranças foi entrevistado no primeiro programa em 2012; e outra por ser patrocinador do programa.

Quem recebeu os troféus em nome do Sicredi, foi o membro do Conselho de Administração do Sicredi Sul, Ivo Miri Brugnera, que também é o presidente da Cooperativa de Crédito Aliança, que tem sede em Marau no RS e que incorporou a Cooperativa Metropolitana de Florianópolis. “Hoje está presente na região da Grande Florianópolis com 11 agências. Em SC são nove cooperativas do Sicredi e mais de 100 agências”, disse o presidente.

O presidente, Ivo Miri Brugnera, também ressaltou que a parceria da entidade com a Fecoagro vem de longa data e tem dado resultados na informação aos associados e auxiliado na divulgação do Sicredi, especialmente no meio rural, onde é líder de atendimento no RS e que está avançando significativamente no estado de SC. Miri disse que o Sicredi está em SC para somar e não para dividir e entende que o sistema cooperativo de crédito ainda tem muito a avançar no mercado financeiro e, por isso, precisa estar junto para melhor atender os associados, e reduzir seus custos financeiros.

Fonte: Fecoagro/SC

Missão cumprida
Publicado em: 31/07/2017

Por Ivan Ramos – diretor executivo da Fecoagro

O título desse artigo pode dar a impressão de alguma missão que já acabou. Podem até dar essa conotação, mas trata-se de uma força de expressão para justificar o sucesso atingido até agora. Dizer estar satisfeito por uma missão não necessariamente quer dizer que ela acabou.

Estamos fazendo essa abertura para justificar a satisfação que a equipe da Fecoagro pode expressar ao comemorar 42 anos de existência. Anualmente a Fecoagro tem realizado encontros com lideranças; dirigentes cooperativistas; autoridades; parceiros e apoiadores das atividades da Federação, para confraternizar-se e demonstrar gratidão por mais um ano de realizações.

Como a entidade tem múltiplas atribuições delegadas pelas cooperativas associadas, tornam-se intermináveis as possibilidades de execução de projetos e programas de interesse coletivo, que podem ser liderados pela Fecoagro em sua área de atuação.

Como entidade de representação comercial e industrial de algumas atividades que são demandadas pelas cooperativas, tem havido sempre a preocupação de que precisamos ser eficientes para permanecer no mercado.

A partir disso, além de executar atribuições eminentemente comerciais para as cooperativas, também tem suas funções institucionais que passa desde o incentivo e a difusão no espírito de união, integração e a intercooperação, até a operacionalização de programas governamentais que são de interesse do Poder Público, mas principalmente dos agricultores associados das cooperativas.

O evento comemorativo aos 42 anos da Fecoagro e aos cinco anos do programa de televisão Cooperativismo em Notícia, realizado no último dia 21 em Florianópolis, foi a mais eloquente prova de prestígio que o cooperativismo agropecuário tem junto às autoridades e parceiros, liderados pela Federação.

As mais ilustres autoridades do setor prestigiaram o evento, que foi reconhecido pelo apoio e parcerias que estão existindo, mas foram as avaliações de bastidores que mais gratificaram a direção e os colaboradores da Fecoagro, pois conseguimos mostrar em uma hora e meia, tudo que fazemos e que ainda podemos fazer em prol do cooperativismo e ao agricultor catarinense.

Em um ano de dificuldades econômicas enfrentadas pelo nosso país, é sempre bom se ter uma dose de otimismo e reconhecimento de que apesar do econômico, o social e o institucional continuam latentes no espírito empresarial, profissional e pessoal de uma entidade que está entre a pedra e a água, como marisco, levando pancada por aquilo que não consegue fazer, e nem sempre reconhecida por aquilo que tem conseguido de bom para o sistema cooperativo.

O consolo para os internos é que os externos, que não conhecem os meandros e dificuldades operacionais nos veem com bons olhos e tem reconhecido a nossa credibilidade e que, apesar dos pesares, tem alguém trabalhando pelo interesse coletivo e tem dado bons frutos para a sociedade que representa.

Foi uma noite memorável as solenidades alusivas ao aniversário de 42 anos da Fecoagro e todas as manifestações positivas poderão ser socializadas através das redes sociais, mecanismo instantâneo que hoje multiplica opiniões e críticas num piscar de olhos. Obrigado às cooperativas controladoras da Fecoagro que confiam na gestão cujos dirigentes se alternaram, mas que a intenção de pegar junto sempre continuou. Tivemos mais uma etapa da missão cumprida. Agora é só continuar. Pense nisso.

Novo sistema disponibiliza chamadas públicas para produtor rural
Publicado em: 31/07/2017

Agricultores familiares poderão consultar a partir de agora, por meio da internet, as chamadas públicas abertas em todo o país voltadas para esses produtores. A Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário lançou o Sistema Oportunidades, que reúne as chamadas do Programa Nacional de Alimentação Escolar; das compras públicas federais; e de programas de compras estaduais e municipais.

O sistema está disponível no site da Sead. Por meio da ferramenta, é possível encontrar as oportunidades por estado ou município para a aquisição de alimentos da agricultura familiar em todo o Brasil.

De acordo com a secretaria, entidades governamentais que fazem a compra de alimentos produzidos pela agricultura familiar também podem contribuir para o mapeamento das chamadas. As oportunidades podem ser enviadas para os e-mails agricultura.familiar@mda.gov.br ou para pnaechamadapublica@fnde.gov.br. Também é possível saber das novidades sobre agricultura familiar pelo Whatsapp Oportunidades, enviando e recebendo editais de chamadas públicas. Para participar da lista, é preciso enviar uma mensagem de texto para o número (61) 99308-0388. Procure por chamadas públicas para aquisição de alimentos da agricultura familiar.

A agricultura familiar é responsável por 70% dos alimentos que chegam à mesa dos brasileiros, com destaque para produtos como mandioca, feijão, milho e café. São mais de 4 milhões de estabelecimentos familiares no país, que juntos respondem por 38% do Produto Interno Bruto Agropecuário, o equivalente a R$ 54 bilhões por ano.

Fonte: Revista Suinocultura Industrial

Há uma década, produtores e indústrias de SC criaram órgão para regular mercado do leite
Publicado em: 31/07/2017

Um organismo privado para dar total transparência e desenvolver a ampla e complexa cadeia produtiva do leite em território catarinense foi criado há dez anos: o Conselho Paritário Produtor/Indústria do Estado de Santa Catarina (Conseleite).

A iniciativa foi da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (Faesc) e Sindicato das Indústrias de Laticínios e Derivados de SC (Sindileite). Sua estruturação teve a assessoria da Universidade Federal do Paraná, que ajudou a constituir o Conseleite daquele Estado. Até hoje, a UFPR faz o cálculo dos preços de referência do leite, utilizando metodologia definida e aprovada pelo Conselho.

“Esse colegiado mudou as relações entre os elos da cadeia”, avalia o presidente da Faesc, José Zeferino Pedrozo.

O Conseleite – atualmente presidido pelo vice regional da Faesc no extremo oeste Adelar Zimmer – é uma associação civil sem fins lucrativos organizada em uma diretoria, uma secretaria e uma câmara técnica e econômica. Sua composição é paritária: tem igual número de representantes dos produtores e das indústrias – oito titulares e igual número de suplentes para cada lado.

O Conseleite promove o relacionamento entre os integrantes do sistema agroindustrial lácteo, conjugando esforços de todos os agentes econômicos, desde o fornecimento de insumos, a produção de leite nas propriedades rurais, seu processamento pela indústria, distribuição dos produtos derivados, até a venda dos produtos finais ao consumidor.

Zela pelo aprimoramento do sistema de avaliação da qualidade do leite e dos produtos derivados, efetuando estudos, desenvolvendo pesquisas, e promovendo a sistematização, divulgação e constante atualização dos critérios tecnológicos de avaliação e aferição desta qualidade. Define uma política de fomento à produção de leite e produtos derivados e uma política mercadológica para o setor.

Para o presidente da Faesc, atividades essenciais do Conselho são as análises técnicas e econômicas acerca da estrutura e evolução do mercado do sistema agroindustrial lácteo, inclusive no que tange às condições de contratação e negociação comercial entre os integrantes do setor.

A Câmara Técnica e Econômica sistematiza e divulga os resultados das análises e estudos desenvolvidos pelo Conselho ou por órgãos contratados, orientando os integrantes do sistema com vistas a aprimorar as condições de contratação e negociação comercial entre os integrantes do sistema e os critérios para avaliação da qualidade do leite e produtos derivados de Santa Catarina.

Essa Câmara é composta por técnicos, dirigentes e especialistas e tem caráter consultivo. Os membros da Câmara são escolhidos dentre técnicos e profissionais de reconhecida capacidade nas matérias da competência da Câmara.

É atribuição da Câmara desenvolver pesquisas visando o constante aprimoramento e atualização dos critérios tecnológicos de avaliação da qualidade do leite, bem como das técnicas de contratação e negociação comercial no sistema agroindustrial lácteo do Estado de Santa Catarina.

Outros compromissos são: atualizar produtores e industriais acerca da evolução dos critérios utilizados para a determinação e avaliação da qualidade do leite e das técnicas de contratação e negociação comercial do setor; acompanhar a evolução de preços e custos dos produtos do setor e elaborar laudos técnicos, no esclarecimento de dúvidas e na conciliação de conflitos entre os integrantes do sistema, quando versarem sobre questões ligadas à sistemática de avaliação da qualidade do leite ou de contratação e negociação comercial no setor.

Fonte: MB Comunicação

Aumento do consumo de carne suína motiva produtores a investirem em tecnologia
Publicado em: 31/07/2017

A carne suína está cada vez mais presente na mesa do brasileiro, por ser uma opção de dieta saudável, importante fonte de proteína e vitaminas do complexo B, e pela versatilidade e variedade de cortes. Atualmente, no país, o consumo anual dessa proteína chega a 14,5 kg por habitante, segundo a Associação Brasileira dos Criadores de Suínos (ABCS). Para os próximos 10 anos, a previsão de crescimento é de cerca de 21% em produção, consumo interno e exportação, segundo a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO). O país é hoje o 4º maior produtor da proteína, tendo produzido 3,7 milhões de toneladas da carne só em 2016, segundo o Anuário da Pecuária Brasileira (Anualpec). Mesmo diante das dificuldades do setor no último ano, a produção nacional vem se destacando pelo sistema intensivo de produção, marcado pelo controle sanitário e respeito às exigências internacionais de bem-estar animal e de qualidade da carne.

Há mais de 20 anos atuando no setor, o produtor e presidente da ABCS, Marcelo Lopes, destaca que o momento é de conscientização da população sobre o produto fabricado no país. “Estamos em um processo de transformação desde os anos 1970, quando passou a se produzir carne mais magra, deixando de lado a imagem de um alimento gorduroso”, explica. Lopes destaca ainda a adaptação a esta demanda, que é cada vez maior. “Hoje, com famílias menores, é preciso adaptar o varejo, mostrando toda versatilidade da proteína. A carne suína deve estar inserida no dia a dia, não apenas nas datas comemorativas”, acrescenta.

Para lidar com o desafio da popularização de todos os tipos de corte, produtores e empresas do setor têm apostado em tecnologia genética e nutrição animal com soluções naturais para atender às exigências do animal e, consequentemente, do consumidor, como explica o médico veterinário e diretor executivo da ABCS, Nilo de Sá. “O Brasil tem grande competitividade pois possui alta produtividade e baixo custo. A qualidade da porteira para dentro, o potencial de crescimento, o melhoramento genético e nutricional, dão as melhores condições de criação e ambiência para o crescimento do setor”, afirma.

Segundo o gerente Nacional para Suinocultura da Alltech do Brasil, Julio Acosta, aliar genética à nutrição tem contribuído para alcançar um maior percentual de carne magra e melhor nível nutricional da proteína frente às outras carnes. “Somos extremante competitivos em relação a outros mercados. Por isso, é essencial investir em tecnologia para que o animal consiga expor todo seu potencial genético. Um exemplo é a substituição de antibióticos como promotores de crescimento por aditivos minerais e prebióticos, que auxiliam na melhora da saúde intestinal, defesas orgânicas, absorção de nutrientes e eficiência do animal, que são exigências do mercado”, ressalta.

A cadeia da suinocultura é responsável por mais de 126 mil empregos diretos e 900 mil indiretos no Brasil. A profissionalização, tecnologia e a relevância econômica do setor mudaram a visão sobre o setor e o suinocultor. “A população é cada vez mais urbana e por isso, muitas vezes, desconhece totalmente como o alimento é produzido no campo, assim como o trabalho do pecuarista e produtor de grãos. É uma dedicação exclusiva de quem gosta e preza pela saúde e bem-estar animal e é essencial o reconhecimento deste trabalho”, complementa o diretor da ABCS.

Fundada em 1980 pelo empresário e cientista irlandês, Dr. Pearse Lyons, as soluções da Alltech melhoram a saúde e o desempenho de animais e plantas, por meio da nutrição natural e da inovação científica, utilizando leveduras, nutrigenômica e algas. Com aproximadamente 100 unidades industriais em todo mundo, a Alltech é líder na produção de leveduras e minerais orgânicos, além de ter como referência a planta de produção de algas no Kentucky (EUA), modelo existente em apenas mais um lugar no mundo. A empresa segue os princípios da ACE (Animal, Consumer and the Environment) e busca desenvolver soluções seguras para os animais, consumidores e meio ambiente e, para alcançar esse objetivo, conta com uma equipe de mais de 5000 colaboradores.

Alltech é a única empresa de capital fechado entre as cinco maiores empresas de saúde animal no mundo, o que confere vantagem competitiva permitindo a empresa se adaptar rapidamente às necessidades emergentes dos clientes e manter o foco na inovação. A sede mundial está localizada em Lexington, Kentucky (EUA), sendo que o Brasil é o segundo maior volume de produção mundial do grupo. A Alltech do Brasil é formada por uma unidade fabril em São Pedro do Ivaí (PR) e por um centro administrativo e planta industrial em Araucária (PR) e uma unidade em Indaiatuba (SP). Mais informações: http://pt.alltech.com/

Fonte: Centro de Comunicação – contato@centrodecomunicacao.com.br

Fonte:
Mais notícias
Cooperativa Agropecuaria Videirense

Avenida Dom Pedro II, 789
Caixa postal 127 - Videira Santa Catarina
Cep: 89560-000